citando e andando

março 24, 2013

Mais uma do livro do Pondé, aqui ele cita um pensador francês do séc. XIX:

“(…) Uma coisa que nosso conde (Alexis de Tocqueville) percebeu é que o homem da democracia, quando quer saber algo, pergunta para a pessoa do seu lado, e o que a maioria disser, ele assume como verdade. Daí que, no lugar do conhecimento, a democracia criou a opinião pública.”
Luiz Felipe Pondé, em ‘Guia Politicamente Incorreto da Filosofia’; edição de 2012; pág. 51


Uma era de mediocridade

março 14, 2013

Tirado de um livrinho interessante:

Outro tipo mentiroso e politicamente correto é o “artista”. As artes plásticas contemporâneas ajudam muito para isso, na medida em que gente que não sabe desenhar pode ser artista figurativo. Nada que eu consiga desenhar ou pintar pode ser levado a sério como arte figurativa, porque eu não sei pintar ou desenhar nada. Um amigo num caderno cultural importante ou uma tese de mestrado ilegível numa universidade de nome sobre a obra de alguém pode fazer dele um grande artista. A crítica da forma e da coerência na ‘narrativa estética’ (que em si pode sim ter um significado) tornou-se um grande cabide de emprego para artistas falsos, mas bem relacionados.’

Luiz Felipe Pondé, em ‘Guia Politicamente Incorreto da Filosofia’; edição de 2012; pág 101-102.