Teatro 5

Escrevi já há alguns meses um esquete de humor abjeto. Curtinho, uma colcha de estereótipos sobre o personagem arquetípico conhecido como “mulher-de-malandro”. No meu texto há uma inversão de papéis que é praticamente a razão de ser da obra. Não é um texto que vai mudar a História do teatro – aliás, tem mais cara de TV do que de teatro. É uma bobagem. O problema é que sempre que o releio, acho engraçado. Mas sei que é abjeto, pela linguagem e caracterização dos personagens, tipos repelentes.

E as pessoas que me conhecem pessoalmente? Lendo o que escrevo, não só este, também os outros mais para trás, hão de se chocar?  As senhoras, o que vão pensar? “Aquele menino tão educadinho (sim, ainda há, embora cada vez menos, aqueles para quem sou um menino), só escreve baixaria e pornografia. É um taradinho.”

E aí, o que eu faço? Lanço no site ou não?

Depois que já lancei um texto sobre a bomba de Hiroshima, que até um amigo meu achou pesado, o que ainda pode ser considerado ofensivo?  Não que meu objetivo seja ofender, já falei aqui mesmo contra quem faz “arte” para “épater les bourgeois” – chocar os burgueses.

E quando eu quiser falar sério, ainda terei credibilidade? Ou ficarei caracterizado como “o cara que faz piada”?

O texto segue abaixo. Ao fim dele há links para outros textos de teatro.

Por Mauricio Dias – comoeueratrouxa

“O casal”

O esquete tem que ser interpretado por um HOMEM PESADO, DE GRANDE ESTATURA; e uma MULHER PEQUENA, quanto maior o contraste entre os tipos físicos, melhor.

A Mulher – Ana – está sentada na sala, vendo futebol na TV, bebendo cerveja. O Homem chega, usando UM AVENTAL, cabisbaixo, assustado, esfregando uma mão na outra (junto ao peito).

Homem

Ana?

Ana

(rude)

Que é, porra?

Homem

Eu queria falar com você…

Ana

Tô vendo o jogo. Vai embora, tu dá azar.

Homem

Mas é importante…

Ana

Tu sabe que é pé-frio. É você chegar na sala, o Vasco se fode!

Homem

Mas eu não tô nem olhando pra TV, ela tá de costas pra mim… Posso falar daqui mesmo?

Ana

Fala…Mas se o time levar gol, vou ‘te meter-lhe’ a porrada.

Homem

(choramingando)

Ai, não fala assim…

Ana

(debochando)

Já vai chorar? A troco de nada? (pausa) Quer, eu te dou um motivo pra chorar de verdade.(mostra o punho fechado)

Homem

Eu ainda tô todo roxo da última surra que você me deu.

Ana

Você mereceu…

O Homem, chorando, SAI. As luzes diminuem, até escurecer. Foco no Homem, que volta e dirige-se à platéia.

Homem

(com ódio de novela mexicana, histriônico)

Vocês viram como ela me trata? Viram? (pausa) Papai me dizia: não casa com ela, vem de uma família de gentalha… Não tem um pingo de educação. (funga) Mas eu era novo… (t) bobo… inexperiente. (pausa) Casei por amor… (faz uma dobra no avental e a alisa) Foi! (t) Amor… (assoa o nariz no avental) Naquela época ela não era assim. Era carinhosa, me tratava bem. E nos primeiros seis meses, o casamento foi bom… Mas depois, ela começou a mostrar um desinteresse… De noite, na cama, se eu alisasse a barriga dela, ela falava pra eu parar. Dizia que tava cansada, e virava de costas pra mim… Cansada, sei!… Aposto que era algum pirocudo do escritório. (pausa) Certeza, eu não tenho… Se eu tivesse certeza… Se descubro que ela me trai, eu juro que boto veneno de rato na comida. Ela ia morrer botando sangue pela boca.(pausa) Eu ia comer também. Não quero ir pra cadeia. Melhor morrer. Ficar trancado numa cela, ser enrabado? Melhor morrer.

As Luzes acendem, Ana vem andando na direção do Homem.

Ana

Tá falando sozinho?

Homem

Pensando em voz alta…

Ana

(agarra-o pela cintura)

Pensa muito não… Quando tu pensa, remexe as merdas que tu tem na cabeça, começa a feder a casa toda. (morde o braço dele, insinuante)

Homem

Precisa falar assim?

Ana

(aperta o peito do homem)

Fon-fon!… A buzina, como é o barulho da buzininha?

Homem, em silêncio, um pouco constrangido.

Ana

(aperta o peito do homem)

Faz o barulho da buzina! Faz você… (aperta o peito do homem, de novo.)

Homem (sorrisinho tímido de canto de boca)

Fon-fon!… 

Ana

(continua alisando ele)

Você gosta disso, né? Safado…

Homem

(ri) Eu não sou safado…

Ana

Você sabe que é…

Homem

Quanto foi o jogo?

Ana

Vascão dois a zero.

Homem

(totalmente forçado)

Que bom!

Ana

(morde o braço dele)

Canta o hino…

Homem

Não lembro a letra…

Ana

(aperta bochecha dele)

Eu mandei você cantar…

Homem

Vamos todos cantar de coração
A Cruz de Malta é o meu pendão

Tu tens o nome de um heróico português
Vasco da Gama, a tua fama assim se fez.

Ana

Continua…

Homem

Tua imensa torcida é bem feliz,

Norte-sul, norte-sul deste país…

Ana

(empurrando, conduzindo-o para fora do palco)

Continua… Vai cantando até a cama. (belisca-lhe o traseiro)

Homem

Tua estrela, na terra a brilhar,

Ilumina o mar…

SAEM. Apagam as luzes.

+ teatro no link

https://comoeueratrouxaaos18anos.wordpress.com/teatro-4

3 Responses to Teatro 5

  1. SANDRA NUNES disse:

    Como posso ler esse texto nai integra? Abraço

  2. Lili disse:

    hahahaha…
    adorei!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: