O Ourives

abril 27, 2010

.

.

‘Um verdadeiro gênio brasileiro’,  o maestro e compositor Moacir Santos nasceu em 1926 numa cidadezinha no sertão de Pernambuco  (“…tinha seis ruas principais, agora deve ter oito ou nove.” – comentou em 2005, cerca de um ano antes de sua morte.). Tendo o pai fugido, e sua mãe morrido quando ele contava com três anos, foi adotado por uma família; era chicoteado na infância.

Como é possível um sujeito com este começo de vida tão sofrido fazer uma música tão bonita e sofisticada?

Linda entrevista com o mestre no link abaixo, tomei ciência dela graças ao grande Jorge Albernaz:

http://vitrola.blogspot.com/2008/06/coisas.html

E procurem os discos de Moacir Santos na internet, especialmente ‘Coisas’ e ‘Choros & Alegria’. Música instrumental de primeira qualidade.

Anúncios

Sonhos Roubados

abril 22, 2010

.

Por Mauricio O. Dias – comoeueratrouxa

Chegamos ao grand écran. Fico feliz por meu nome constar da lista dos roteiristas em http://www.sonhosroubados.com.br/ficha.html .
O filme se baseia num livro/reportagem da jornalista Eliane Trindade, ‘As Meninas da Esquina’, e relata histórias de meninas menores de idade que fazem ‘programas’ para obter dinheiro.
São seis roteristas listados, mas não tive a oportunidade de conhecer a todos pessoalmente. Como todo roteiro de longa metragem que se preze, passou por vários tratamentos em diferentes etapas. Aquele em que participei foi em parceria com José Joffily. Na página citada tem links para trailer e entrevistas com: a diretora Sandra Werneck; as atrizes; o responsável pela trilha sonora, Fabio Mondego; o grande fotógrafo Walter Carvalho; e a autora do livro.
“Sonhos Roubados” levou dois prêmios no Festival do Rio 2009: melhor filme pelo voto popular e melhor atriz para Nanda Costa.

.
Aqui, uma matéria de Ricardo Kotscho sobre o filme:
http://colunistas.ig.com.br/ricardokotscho/2010/04/06/a-vida-por-um-fio-em-sonhos-roubados

Estréia nos cinemas no dia 23-04-2010.


Claro-escuro

abril 12, 2010

.

Site de um interessante artista inglês :

http://www.demsteader.com/portfolio.html

No site vêem-se desenhos e pinturas.

Neste link aqui tem uma série dedicada exclusivamente à modelo de alta costura Erin O’Connor:

http://www.demsteader.com/salepaper%20erin.htm

Aqui, quatro trabalhos feitos com a bailarina Tamara Rojo:

http://www.demsteader.com/tamararojogallery.html


Tem gente que pede pra levar chifre

abril 7, 2010

.

Por Mauricio O. Dias – comoeueratrouxa

Deve a arte ter a preocupação de ser moral?

Deve um artista mostrar de forma bela atos de violência não justificáveis?

Estes pensamentos me vieram à mente vendo uma série de pinturas do americano Eric Fischl com tema de ‘touradas’.

Não sou vegetariano, embora tenha simpatia por aqueles que se abstém de comer carne por compaixão pelos bichos. Mas mesmo encarando o sacrifício animal como necessário à alimentação, considero as touradas – a transformação deste sacrifício em espetáculo – uma barbárie. Não me interessa se é um hábito cultural milenar, não aceito isso como argumento em prol de sua legitimidade.

Desde Goya, alguns artistas famosos, mais notadamente Picasso, se interessaram pelo tema. Mas tanto Goya quanto Picasso cresceram imersos em uma cultura onde as touradas eram comuns. Já Fischl veio de outro contexto.

Ao retratar a pulsão de morte, ele em algum momento se questionou sobre a validade do espetáculo? Ou ele pinta uma tourada como pintaria uma cena urbana, ou qualquer cena dinâmica fora do estúdio?

Os trabalhos se encontram no link

http://www.ericfischl.com/html/en/paintings/corrida_2008_001.html

Esta é uma daquelas páginas que abrem de forma diferente, de acordo com o navegador usado. Uma vez lá, rolar a página para baixo para ver as outras opções, e clicar nas setas de ‘avançar‘ e ‘voltar.


O maior dos beneficios

abril 3, 2010

Eu não sei se algo semelhante ocorre em outros países, e com a mesma intensidade, mas aqui no Brasil criaram-se alguns mitos artísticos que acabaram por tornar-se vacas sagradas perante a ‘inteligenzia’. Então é sempre bom ver alguém dando uma cutucada em uma sumidade.

O  maior dos benefícios que a internet trouxe foi a quebra do monopólio de opinião politicamente correta:

http://soaressilva.apostos.com/2010/02/19/o-rubem